O que é endoscopia veterinária?

A endoscopia é um exame amplamente reconhecido e difundido na medicina tradicional. Ele consiste na avaliação do trato gastrointestinal por meio de um aparelho próprio, chamado de endoscópio, e é um procedimento minimamente invasivo, seguro e com um tempo de duração relativamente reduzido. Por conta destes fatores, a endoscopia é uma escolha relevante no diagnóstico de enfermidades. Apesar de toda a sua eficiência, este é um exame ainda pouco empregado na medicina veterinária.

A endoscopia veterinária pode ser utilizada no diagnóstico e tratamento de uma série de doenças encontradas em cães, gatos e outras espécies animais, e se divide em vários segmentos, sendo estes: Esofagogastroduodenoscopia, a qual também pode ser chamada de endoscopia digestiva alta, e endoscopia digestiva baixa, ou colonoscopia, Rinoscopia, Cistoscopia, Broncospia, entre outros. Em ambos os procedimentos, os pacientes são submetidos à anestesia geral, visando um maior conforto e precisão no diagnóstico.

Um diagnóstico preciso facilita o tratamento dos animais de estimação e melhora a sua qualidade de vida. (Foto: Unsplash)

Um diagnóstico preciso facilita o tratamento dos animais de estimação e melhora a sua qualidade de vida. (Foto: Unsplash)

 

Endoscopia animal e sua importância no diagnóstico veterinário

A endoscopia veterinária tem um grande papel no que tange o reconhecimento e a remoção de corpos estranhos presentes no trato gastrointestinal e possui uma série de benefícios ao paciente, uma vez que, na maioria das vezes, consegue-se evitar uma cirurgia. Vale salientar, no entanto, que este procedimento não exclui a possibilidade de uma intervenção cirúrgica em situações determinadas: a máxima “cada caso é um caso” deve nortear as nossas preocupações.

Alguns procedimentos normalmente invasivos e cirúrgicos, como a biópsia, também podem ser feitos através da endoscopia: neste caso, a biópsia é feita por meio de pinças próprias e o tecido ou mucosa acometido é reconhecido e extraído com o auxílio dos recursos visuais que o endoscópio promove.

Animais que apresentam disfagia (ou seja, dificuldade de deglutição), vômitos constantes, refluxo gastroesofágico, anorexia, diarréia crônica e dificuldades de defecar, também podem ser auxiliados por esta técnica. A estenose esofágica, diminuição do diâmetro do esôfago que impossibilita a passagem normal do alimento ingerido, também pode ser diagnosticada e tratada através da endoscopia no animal. A partir da identificação do problema e da escolha de um tratamento que seja efetivo, pode-se buscar maneiras de promover melhor qualidade de vida ao paciente.

Além disso, outra grande importância da utilização da endoscopia veterinária está na possibilidade de diagnosticar doenças inflamatórias, úlceras, neoplasias gástricas, entre outras afecções, de uma forma minimamente invasiva e sempre segura: por meio dos recursos visuais e, caso seja necessário, da realização de biópsia, a endoscopia animal oferece uma percepção concreta do problema a ser enfrentado e permite, em muitas situações, a definição do diagnóstico.

Um diagnóstico preciso facilita o tratamento dos animais de estimação e melhora a sua qualidade de vida. (Foto: Unsplash)

Um diagnóstico preciso facilita o tratamento dos animais de estimação e melhora a sua qualidade de vida. (Foto: Unsplash)

 

Preparação de animais para endoscopia

Para que o procedimento seja feito, alguns requisitos devem ser atendidos: ainda que não se baseie em intervenção cirúrgica, a endoscopia exige anestesia geral. Esta, por sua vez, só pode ser aplicada no paciente depois de uma avaliação pré-anestésica (APA), o que dirá ao médico responsável se o animal poderá ser submetido ao procedimento sem riscos adicionais e se há necessidade de cuidados especiais antes e depois do procedimento. Outros exames de imagem complementares, como a ultrassonografia ou a radiografia torácica e abdominal, podem ser pedidos pelo veterinário.

Uma vez aprovado a avaliação pré-anestésica, dá-se início ao preparo do paciente. Para a técnica de endoscopia digestiva alta, pede-se jejum alimentar de doze a vinte e quatro horas e jejum hídrico de três a quatro horas. Para que seja realizada a colonoscopia, no entanto, as preparações são distintas para cada animal: cães devem estar em jejum alimentar por quarenta e oito horas e gatos, por vinte e quatro horas. Um enema antes do exame é necessário para ambas as espécies. Para animais exóticos, as recomendações podem mudar - é sempre importante pedir a opinião do médico responsável e seguir as suas especificações.

É importante salientar que, em casos excepcionais, não será preciso que o animal esteja em jejum: se o cachorro ou gato ingeriu algo que pode lhe causar problemas imediatos e graves, como agulhas, pregos, lâminas ou artigos similares, uma intervenção de emergência deverá ser feita pelo veterinário. Em situações emergenciais, não se deve induzir vômitos no animal de maneira a tentar fazê-lo expelir o corpo estranho, dado o fato de que isto pode provocar lesões secundárias e causar transtornos irreversíveis. Na dúvida, prefira sempre consultar um especialista.

A Dia. Prevenção Animal é especializada em exames de diagnóstico por imagem e possui uma equipe formada por profissionais de excelência que são apaixonados pelo que fazem. Entre os diversos procedimentos oferecidos, estão exames de radiologia, ultrassonografia, cardiologia e, claro, de endoscopia.

Para oferecer ao seu melhor amigo todo o cuidado que ele merece e garantir que os seus exames sejam feitos com o máximo de comprometimento e segurança, entre em contato com a Dia. Prevenção Animal e informe-se sobre o agendamento de procedimentos.

 

Comment